Seja Presente

Olá, Papai e Mamãe! Tudo bem?
Este é o último mês do ano, época em que geralmente nosso “tempo fica mais corrido”, época em que nos preocupamos com os presentes, de amigo oculto… de natal…

Então, resolvi falar sobre algo que é mais importante do que dar presentes, que é ser presente.

As últimas décadas trouxeram uma mudança na vida da mulher. As mulheres começaram a trabalhar (também) fora de casa. Porém, essa mudança trouxe um acréscimo de funções, e não uma troca, então, além do trabalho fora de casa a mulher ainda cuida da casa, dos filhos, do marido… Muitos jovens e adultos de hoje são as crianças dessa primeira geração, que cresceram sem o convívio em tempo integral com as mães e agora repetem esse modelo com relação aos próprios filhos.

E com isso, eu não estou dizendo que essa mudança foi algo ruim, muito pelo contrário, essa mudança foi necessária, inclusive para os modelos de educação que vemos hoje, como uma participação mais ativa dos pais, por exemplo.

Porém, a lacuna criada nessa geração passou a ser preenchida, de certa forma, pelo marketing, e o consumismo. Para reduzir a culpa gerada pelo pouco tempo presente com os filhos, os pais começaram a comprar cada vez mais presentes, e também lotar as crianças com atividades. (lembra do que conversamos no mês passado? Sobre as multitarefas? Elas também entram aqui)

Lembre-se, a falta da presença de vocês não podem ser supridas por presentes ou bens materiais. Esses artifícios funcionam por um tempo, mas não têm permanência, e perdem logo o seu efeito. Um outro problema que o excesso de presentes pode trazer é a criança começar a usar disso como “chantagem”, para ganhar tudo o que quiser. Crianças são extremamente observadoras, e entendem logo o que funciona para “dobrar os pais”.

Ser presente para o seu filho pode ser mais simples do que você imagina, mesmo com uma rotina de trabalho extensa. Ser presente não significa abdicar de tudo o que é importante para você e ficar 24h por dia com o seu filho, (inclusive, isso pode ter um efeito reverso, a criança pode ficar extremamente mimada, e isso também pode atrapalhar o seu desenvolvimento) mas sim ter tempo de qualidade com ele, mesmo que seja algumas horas por dia.

De nada adianta você ficar o dia inteiro com seu filho, mas conversar com ele enquanto a televisão está ligada, ou enquanto você responde alguma mensagem no celular. Você está ali apenas de corpo, mas não está prestando atenção no que ele está falando ou no que está acontecendo ali.

O que eu sugiro é que você tire alguns minutos quando chegar do trabalho para se dedicar ao seu pequeno. Seja para assistirem a um filme juntos, ou brincar com algum jogo, contar uma historinha antes de dormir, fazer alguma atividade juntos. E não precisa ser nada muito programado ou elaborado, aproveite os momentos juntos, como a ida ou a volta do colégio para conversarem ou inventarem alguma brincadeira (é uma ótima idéia para deixar de lado um pouco o celular também).

Neste final de ano (e em todas as outras épocas), o melhor presente que você pode dar ao seu pequeno é o seu tempo e sua atenção. O tempo é o recurso mais escasso que nós temos, ele não volta, é algo que não se pode comprar. Muitos pais me falam que desejam dar o melhor para seus filhos, então dê o seu tempo, dedique-se a ele, isso fará uma diferença no desenvolvimento dele e na relação de vocês.

Espero que tenham gostado do tema de hoje!

Quero agradecer por todo esse ano juntos, aqui, no blog da BBDU ou nas lives do Instagram (se você ainda não sabe, todo mês, eu e a Ju, fazemos uma live no Instagram para comentar o tema do texto aqui do blog), e quero lhe desejar também um excelente final de ano e ótimas festas, com muito amor e tempo de qualidade!!

Um beijo e até a próxima!

Amanda Ferraz – Psicóloga parceira BBDU
amandafoliveira1@gmail.com

Ansiedade Infantil e as Multitarefas

Ultimamente os pais estão cada vez mais apressados e exigentes; querem que os filhos andem logo, falem logo, seja o primeiro da turma, aprenda a falar inglês aos três anos, aprenda a tocar algum instrumento musical aos cinco, faça natação, balé, judô, futebol, enfim inúmeras atividades. Alguns querem que o filho tenha a oportunidade de fazer atividades que eles não tiveram, outros pensando no futuro do filho, otimizam seu tempo para fazer o máximo de atividades possível.

Frente a isso, gostaria de compartilhar com você uma realidade que me deparo no consultório: cada vez mais estão chegando para mim crianças ansiosas e estressadas, nervosas, agitadas. Alguns pais me dizem que não entendem o porquê desse sintoma, já que normalmente eles aparecem em adultos; há alguns anos atrás não se falava em “criança estressada” e “criança ansiosa”, mas hoje esses termos estão cada vez mais frequentes.

Primeiro é importante entender o contexto que essa criança está inserida; como é a sua rotina e como é a rotina dos seus pais, isso diz muito sobre o comportamento e sintomas que os pequenos apresentam e desenvolvem. Costumo dizer que filhos são espelhos dos pais e não há nada melhor para educar do que os exemplos, suas ações.

É necessário respeitar a fase e idade da criança, muitas vezes o excesso de atividades causa uma sobrecarga e um desgaste físico e emocional nos pequenos, algo que eles não conseguem lidar, pois não tem capacidade simbólica para isso, então surge a ansiedade, a criança fica mais nervosa, mais agitada, o seu corpo começa a responder. Lembre-se que tudo aquilo que não é expressado em palavras, torna-se doença, são as chamadas “doenças psicossomáticas”.

Papai e mamãe, fiquem atentos aos sinais que os pequenos dão e procurem um ponto de equilíbrio entre as atividades que eles exercem, buscando priorizar as suas necessidades. Procurem planejar essas atividades conciliando o lado do aprendizado, que é importante, mas ao mesmo tempo, reservar um tempo para que os pequenos aproveitem sua infância, sem tantos compromissos. E lembrem-se sempre que a linguagem da criança é o brincar! Brincar com seu filho é o maior bem que você pode fazer a ele.

Amanda Ferraz – Psicóloga parceira BBDU
amandafoliveira1@gmail.com

Primeira Infância: a fase mais importante da vida

“Educa as crianças, e não precisarás castigar os homens.”

Essa frase é do filósofo grego Pitágoras, e eu a escolhi para começar esse texto porque educar as crianças e investir na Primeira Infância têm efeitos sobre a capacidade intelectual, a personalidade e o comportamento social futuros.

A primeira infância é a fase da vida entre zero e seis anos de idade. O papel dessa época da vida no desenvolvimento mental, emocional, de aprendizagem e de socialização da criança talvez seja tão ou mais importante que a evolução física e neurológica.

No primeiro ano de vida, o bebê é quase totalmente dependente dos adultos que o cercam, começando pela alimentação apropriada, proteção, cuidados com sua saúde e afeto. Os primeiros anos são fundamentais para o desenvolvimento da criança. Inclusive, cientistas já comprovaram que oferecer condições favoráveis ao desenvolvimento infantil nos primeiros anos de vida é mais eficaz e gera menos custos do que tentar reverter ou minimizar os efeitos ou problemas futuros. Dentre os benefícios, há ganhos no desenvolvimento cognitivo a curto prazo, melhora nos níveis de aprendizado a médio prazo e na escolaridade, empregabilidade, qualidade de vida e renda, a longo prazo.

O cérebro e todo o sistema nervoso central se formam nesse início da vida, ou, melhor dizendo, desde a gestação. A neurociência, ciência que estuda o desenvolvimento e o funcionamento desse sistema, afirma que existe uma relação direta entre as primeiras experiências e o desenvolvimento cerebral. O desenvolvimento do cérebro depende de uma complexa interação entre os genes com os quais se nasce e as primeiras experiências que se tem. As primeiras experiências têm um impacto decisivo na arquitetura do cérebro e na natureza e qualidade da capacidade do adulto.

Pode-se dizer que as relações iniciais com os primeiros cuidadores (mãe, pai ou outra pessoa que se ocupa integralmente do bebê) são determinantes nesse processo de formação da criança e, por isso, devem ser relações de qualidade, baseadas tanto em atenção às necessidades do corpo e do organismo quanto em vínculos afetivos consistentes, comunicação, segurança e ainda oferta de boas experiências para apresentar-lhe o mundo. Trata-se aqui de olho no olho, de voz que acalenta e conta uma história, de sustentação corporal, de acolhimento às sensações e sentimentos, de presença permanente e significativa que garante a continuidade dos cuidados, de emoções que moldam essa relação e ainda de brincadeiras compartilhadas.

Tem muita coisa em jogo nessa interação. É preciso que os papais e mamães estejam inteiros, que estejam disponíveis para acompanhar cada passo desse caminho inicial e que consigam tanto decifrar os sinais que chegam quanto os que são transmitidos pelos pequenos. Aprender a comunicar-se para além das palavras, mas pelos gestos, sons e balbucios, expressões, mudanças de comportamento. As crianças pequenas são conectadas e comunicativas.

Os bebês precisam se adaptar ao mundo em que chegaram, porém não fazem isso passivamente, mas de modo ativo e competente.Os bebês convocam os adultos a se ocuparem deles, a oferecerem novidades para suas descobertas e solução para suas necessidades. No processo de desenvolver-se integralmente, muitos encontros, de diferentes naturezas, serão estabelecidos, resultando em um sujeito único e singular.

Desta forma, é preciso retomar a ideia de que cada uma das experiências vividas terá sua parte na escrita dessa história, começando pelas experiências com você, papai e mamãe que cuida e se ocupa dessa criança. É preciso muitos cuidados nesse caminho que parte da extrema dependência para a independência e autonomia. Vocês oferecem a voz, o olhar, o corpo que segura e acolhe, oferecem as palavras que consolam, que explicam, que descortinam horizontes, inserindo a criança no mundo e suas infinitas possibilidades. À criança cabe viver intensamente todas essas experiências que lhe são oferecidas: ser curiosa, investigar, conhecer, vincular-se e, mais do que tudo, BRINCAR!

Amanda Ferraz – Psicóloga parceira BBDU

amandafoliveira1@gmail.com

Medo Noturno

Olá, Papai e Mamãe! Tudo bem?

Hoje vou falar sobre essa emoção, que as vezes é difícil de lidar, principalmente quando acontece no momento do sono. O medo pode levar a dificuldade para iniciar o sono ou, até mesmo, prejudicar uma boa noite de sono dos pequenos. Crianças com medos noturnos, geralmente têm dificuldade em dormir sozinhas, ao despertar a noite solicitam atenção dos pais e muitas vezes ficam acordadas sozinhas durante a noite.

Os tipos de medos noturnos variam de acordo com a idade, crianças de quatro a seis anos, por exemplo, apresentam medos do escuro, de ficarem sozinhas, de monstros e situações imaginárias. Os medos de crianças de 7 a 11 anos estão associados a perigos reais, como ladrões e violência. Em diferentes idades o medo de perder os pais também é presente.

Se o seu filho acorda durante a noite assustado, chorando, muitas vezes demandando sua presença, isso não necessariamente é um medo noturno, pode ser que ela tenha tido um pesadelo. Crianças muito pequenas têm dificuldade para dizer o que aconteceu, por isso as vezes é difícil para os pais identificar quando é um e quando é outro. Vamos diferenciar então o que é pesadelo e o que é medo noturno.

O pesadelo acontece na fase REM do sono, é uma fase menos profunda do sono, é aqui que os sonhos e pesadelos acontecem. Os pesadelos são muito comuns, estudos apontam que 80% do conteúdo do sono, de alguma forma provoca sensações ruins, conhecidas como pesadelos. Quando isso acontece com crianças pequenas, de 3 e 4 anos, há uma dificuldade para diferenciar o que é ilusão e o que é realidade, tendo dificuldades para relaxar e voltar a dormir. Em casos de pesadelos, vocês pais, podem acalmar e consolar a criança; explicar que o que ela sonhou não é de verdade; deixar com a criança algum objeto que ela goste e desenvolver uma rotina relaxante, um ritual do sono, para que ela possa dormir mais facilmente.

Já o medo noturno acontece na fase “não-REM”, uma fase mais profunda do sono. Embora pode causar espanto nos pais, é algo natural e que pode acontecer com algumas crianças. De acordo com o seu crescimento, esses episódios tendem a ficar cada vez mais raros, até desaparecer por completo.

No medo noturno, a criança pode manifestar sinais de pânico, conversar, gritar, chorar, se debater, sentar na cama, abrir os olhos, mas ainda assim ela continua dormindo, não nota a presença dos pais e depois nem se lembra do que aconteceu. Nesses casos, vocês pais, podem tocar a criança, acalmando-a e esperar o momento passar; não é necessário acordá-la.

Medos noturnos são comuns durante o desenvolvimento infantil, quando aparecem de forma tranquila e transitória podem ser superados pela maioria das crianças. Porém, para algumas crianças, o momento de ir para a cama representa uma grande dificuldade, associada ao medo noturno severo e pode atrapalhar o desenvolvimento do sono da criança. Nesses casos, é necessário buscar uma ajuda especializada.

Espero que tenha gostado do texto de setembro!

Um abraço e até o próximo!

Amanda Ferraz – Psicóloga parceira BBDU

amandafoliveira1@gmail.com



Como ajudar seu filho a superar a timidez?

É normal que algumas crianças se sintam desconfortáveis em situações novas ou que as coloquem como centro das atenções. A timidez ,em muitos casos, é apenas mais uma característica da personalidade de uma pessoa. Ou seja, ela só é um problema quando é excessiva e prejudica o desenvolvimento ou a capacidade de estabelecer relações sociais.

Se seu filho tem muita dificuldade em fazer amigos ou medo de tirar dúvidas em sala de aula, isso pode impedir que ele consiga brincar ou falar com outras crianças, interferir na capacidade de aprendizado e até causar sofrimento. Mas você pode ajudá-lo. Seguem aqui algumas dicas para ajudar seu filho a superar a timidez:

• Ajude a criança a conhecer seus sentimentos e falar sobre eles no dia a dia

• Incentive a criança a falar sobre suas experiências na escola e em outros ambientes sociais, demostrando interesse

• Elogie sempre que seu filho conseguir ir a algum lugar novo e interagir com outras crianças. Não critique se ele ficar com medo.

• Converse sobre as situações que podem deixá-lo mais tímido e pensem juntos em formas de enfrentar a situação.

Luciana Tisser é psicóloga, especialista em Neuropsicologia e em Grupoterapia além de mestre e doutora em Ciências da Saúde – Neurociências e autora de diversos livros infantis e instrumentos de acesso nesta área.

A Lu é sócia da Casa BBDU, a loja física da BBDU que foi inaugurada em Porto Alegre. Venha conhecer!
📍 Av. Cristóvão Colombo 100 sala 301

Dislexia: sintomas e tratamento

A dislexia é um transtorno de origem neurobiológica caracterizada pela dificuldade de leitura e escrita. De acordo com a International Dyslexia Association (IDA), essas dificuldades normalmente resultam de um déficit no componente fonológico da linguagem e são inesperadas em relação à idade e outras habilidades cognitivas. A dislexia está presente entre 5% e 17% da população mundial.

Sintomas da dislexia na primeira Infância

•             Dispersão

•             Falta de atenção

•             Atraso da fala e linguagem

•             Dificuldade em aprender rimas e canções

•             Atraso na coordenação motora

Sintomas na idade escolar

•             Dificuldade na aquisição e automatização da leitura e escrita

•             Desatenção

•             Dispersão

•             Dificuldade em copiar de livros e lousa

•             Desorganização geral (dificuldade em manusear mapas, dicionários)

•             Dificuldade em ler em voz alta e compreender aquilo que foi lido

•             Baixa auto estima.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico e tratamento é sempre feito por uma equipe multidisciplinar, que envolve profissionais de:

•             Neurologia

•             Neuropsicologia

•             Fonoaudiologia

•             Psicopedagogia.

O tratamento visa a superação das dificuldades apresentadas, estimulando o desenvolvimento das habilidades necessárias para um aprendizado efetivo, bem como orientação da família e escola.

Psicoterapia

É importante procurar a psicoterapia quando a criança apresenta consequências emocionais devido ao transtorno, como baixa auto estima, desmotivação para os estudos ou resistência a ir à escola.

Luciana Tisser é psicóloga, especialista em Neuropsicologia e em Grupoterapia além de mestre e doutora em Ciências da Saúde – Neurociências e autora de diversos livros infantis e instrumentos de acesso nesta área.

A Lu é sócia da Casa BBDU, a loja física da BBDU em Porto Alegre. Venha conhecer!  Endereço: Av. Cristóvão Colombo 100 sala 301

O Brincar como linguagem da criança

Quando se pensa no universo infantil, brincar é coisa séria. É por meio de jogos, fantasias e, sobretudo, da criatividade que as crianças se relacionam entre si e com o mundo. Além do caráter lúdico, essas atividades estimulam o divertimento e o aprendizado dos pequenos.


             A criança e o brincar são contextos indissociáveis, o brincar é tão essencial à criança quanto o trabalho é para os adultos. Não se pode pensar na ideia de ter uma criança sem dar-lhe tempo e propiciar-lhe momentos de ser e de se sentir criança. A criança que não brinca não aprende, não tem interesse, não tem entusiasmo, não demonstra sensibilidade e não desenvolve afetividade. Daí a necessidade de compreender o brincar como uma linguagem infantil, uma maneira que as crianças pequenas utilizam para falar não convencionalmente, mas para se expressar e demonstrar seus sentimentos, suas vontades, suas inquietudes.

Ao brincar, a criança expressa suas emoções, expõe suas habilidades e dificuldades, e mostra aos adultos suas conquistas; mostrando a apropriação de uma linguagem diferente, característica do desenvolvimento infantil. 
Ao brincar de carrinho, por exemplo, a criança assimila fatos que ela vê e observa na vida cotidiana; além de repetir o que vê o adulto fazendo, ela incorpora e repete na brincadeira. Se ela brinca com o carrinho de forma agressiva, batendo em objetos, fazendo o carrinho capotar, ela simplesmente está tentando se comunicar, repetindo com seus brinquedos cenas da vida doméstica e comportamentos dos adultos, utilizando-se desta linguagem para dizer que “foi isso que ela aprendeu”, daí a necessidade mediadora nas múltiplas ações do brincar e atenção ao exemplo. 

É brincando que a criança aprende, e observando que ela incorpora, é através de brincadeiras que a criança expande seu mundo e amplia seus conhecimentos.

As transformações sociais, políticas e econômicas que têm ocorrido em nossa sociedade e as mudanças tecnológicas contribuem para a diminuição dos espaços públicos de lazer, além disso a crescente insegurança impede o brincar nas calçadas, praças e parques. Hoje, a televisão, o computador e os jogos eletrônicos estão cada vez mais presentes no cotidiano de grande parte das crianças. Ou seja, as mudanças na sociedade transformaram significativamente a maneira de brincar.

A brincadeira é uma rica fonte de estímulos ao desenvolvimento cognitivo e afetivo da criança e também contribui para o seu processo de socialização e auto expressão. O brincar, além de ser um facilitador do desenvolvimento infantil, é a forma que a criança possui para se comunicar com o mundo, expressar seus sentimentos, conviver com as diferentes emoções, conhecer seu próprio corpo.

Por meio da brincadeira, as crianças ampliam seus conhecimentos sobre si mesmas e sobre o mundo que as cerca. Nesses momentos lúdicos, elas criam situações imaginárias que surgem a partir dos conhecimentos de mundo que já possuem, antecipam vivências, imitam os adultos.

A ideia, difundida popularmente, de que o ato de brincar é um simples passatempo, sem funções mais importantes que a de entreter a criança em atividades divertidas, não leva em consideração que a brincadeira é capaz de oferecer às crianças uma ampla estrutura básica para mudanças das necessidades e tomada de consciência, como: ações no campo imaginativo, formação de planos da vida real, e oportunidade de interação com o outro, que, sem dúvida, contribuirão para o desenvolvimento da criança.

É brincando que as crianças se desenvolvem de forma completa, integrando seus corpos, gestos, movimentos, suas linguagens (verbais e não verbais), suas atitudes e comportamentos, suas emoções, sua cognição, sua sociabilidade, seus valores e suas criatividades.

Portanto, oferecer oportunidades de as crianças terem contato com a natureza, com espaços variados, com diversos materiais e repertórios lúdicos, ou de construírem seus próprios brinquedos, é uma forma de contribuir para sua saúde e integridade mental, física e emocional: são processos, vivências e aprendizados permanentes.

E o mais importante, além de incentivar o brincar, brinque com seu filho. Tire um tempo do seu dia e se dedique a isso, fará total diferença no desenvolvimento dele e na relação de vocês. Aproveite esse mês de férias e façam atividades diferentes, piqueniques no parque, andar de bicicleta, criar brinquedos, inventar brincadeiras… A presença dos pais na brincadeira dos pequenos é muito significativa.

Amanda Ferraz – Psicóloga parceira BBDU

amandafoliveira1@gmail.com

Brincando com as emoções

emocionario

Olá, Papai e Mamãe! Tudo bem?
Esse título é o nome da Oficina das Emoções, que eu faço periodicamente aqui em Belo Horizonte, cidade onde eu moro. Esse projeto é o meu xodó! Nesse momento consigo unir duas temáticas muito importantes para o desenvolvimento infantil, e é sobre isso que vamos conversar hoje.
O brincar é um meio natural da criança se expressar e também mostrar seus sentimentos e fantasias, é uma das atividades mais importantes no desenvolvimento da criança. Crianças que brincam demonstram ter saúde emocional e, ao brincarem, desenvolvem a capacidade de criatividade, para controlar impulsos, de expressão de desejos ou de seus medos. Isso ocorre tanto no nível consciente como inconsciente, de acordo com cada faixa etária.
As crianças estão sempre brincando, é através da brincadeira que elas se comunicam. A atividade lúdica está presente enquanto comem, enquanto realizam atividades de higiene e o quanto relutam em parar de brincar para realizar estas atividades ou até mesmo para dormir. Eu acredito que muitos de vocês ao dar papinha para seus pequenos já fizeram o famoso “aviãozinho”; ou quando as crianças estão na fase do desfralde, já deram tchau para o cocô, e até mesmo já se depararam com a situação de querer “tirar a bateria dos pequenos” ao final do dia. O mundo lúdico é o elo entre a realidade interna da criança e a realidade externa, compartilhada com outras pessoas.
Alegria, raiva, medo, tristeza e nojo. Todas essas emoções fazem parte da nossa vida, algumas se sobressaem mais do que outras, algumas são mais fáceis de identificar, outras menos, mas o fato é que identificar o que sentimos nos ajuda a lidar melhor com determinadas situações. Você já parou para pensar no por que seu filho às vezes chora desconsolado? Por que ri? Por que rejeita determinados alimentos? As emoções estão trabalhando em todas essas situações, e é importante que os pequenos aprendam a utilizá-las.
Todas as emoções são importantes e exercem um papel fundamental na vida das crianças, as principais são: medo, nojo, raiva, tristeza e alegria. O medo faz com que a criança tenha desafios e lute para superá-los, mas também pode lhe bloquear e até mesmo conduzir ao pânico, é o máximo nível de alerta do nosso corpo, portanto, é importante ensinar as crianças a utilizar o medo para crescer; o nojo ajuda a escolher, a aprender a dizer não, ajuda a criança a formar sua personalidade; a raiva é a menos preparada das emoções, quando se deixa levar não existe raciocínio, mas isso será necessário, de certa forma a raiva é uma arma de defesa, e é justamente nesse momento que a raiva gera um mecanismo para pensar em como se defender diante de tudo o que lhe provoca chateação.
Já a tristeza com frequência nos faz refletir e aprofundar nos nossos sentimentos, sem a tristeza não poderia existir a alegria, mas tenha cuidado: essa emoção também pode levar a criança a perder a esperança e levá-la à depressão, após um momento de tristeza é importante que a alegria volte a aparecer; a alegria é o motor que move a vida da criança, ela não está presente em tempo integral pois necessita das outras emoções para continuar seu caminho.
Agora que você já sabe como as emoções e o brincar são importantes para o desenvolvimento dos pequenos ajude-os a identifica-las e lidar melhor com elas, através de recursos lúdicos. Aqui, no próprio site da BBDU, você encontra muitas possibilidades para trabalhar as emoções com as crianças. Sente-se com seu filho, fale com ele. Tente explicar-lhe o que está sentindo. Está chateado? Sentiu raiva? Por quê? Faça com que ele responda a todas essas perguntas e, sobretudo, faça com que entenda que nenhuma dessas emoções são ruins. Todas, absolutamente todas, são necessárias.
A criança tem uma capacidade de compreensão muito mais aguçada do que se pode imaginar e, em sua linguagem, devemos estar prontos para o diálogo. Uma criança emocionalmente bem desenvolvida torna-se um adulto mais capaz de enfrentar e solucionar suas dificuldades. Tenha sempre em mente que as crianças têm muito o que ensinar!

Amanda Ferraz – Psicóloga parceira BBDU

amandafoliveira1@gmail.com

 

Adaptação Escolar

ad

Costumo dizer que a adaptação escolar é um processo onde os pais e as crianças são afetados. No caso dos pais, não é fácil deixar o filho na escola pela primeira vez sozinho, essa escolha vem embutida de uma angústia e dúvida sobre a melhor escolha para o seu pequeno; no caso das crianças, principalmente as menores – que estão indo à escola pela primeira vez – há um medo do abandono, de que os pais não voltarão, e o medo do desconhecido, de estar em um ambiente novo, onde enfrentarão muitos desafios.
Trataremos aqui sobre duas situações que envolvem este processo: a primeira diz respeito à entrada da criança na vida escolar; a segunda é sobre uma possível mudança de escola. Há um ponto em comum nessas duas situações: a segurança dos pais.
Papais, entendam, independente da escolha que vocês fizerem, se vocês estão seguros, o filho de vocês também estará!
Essa segurança diz respeito, inclusive, ao momento de colocar a criança na escola. A entrada do filho na escola deve ser uma escolha dos pais, seja por uma necessidade familiar, ou para o próprio desenvolvimento da criança. Analise os motivos dessa escolha, não matricule seu filho na escola porque os priminhos da mesma idade dele já estão indo, ou por alguma “imposição da sociedade”.
Primeiramente, quem deve se adaptar a escola, são os pais, que devem estabelecer um vínculo de confiança e segurança com aquela instituição. É importante conhecer a escola, a equipe pedagógica, o método de ensino e observar o espaço físico para tomar uma decisão mais assertiva. Se ainda estiver com dúvidas, talvez seja melhor adiar um pouco esse momento.
A adaptação da criança acontece de diferentes formas, conforme a idade. Vou citar algumas aqui:
Bebês: O processo de adaptação nessa faixa etária deve ser tão cuidadoso como com crianças maiores, isso porque os bebês percebem e sentem tudo o que acontece ao seu redor, e podem reagir de diversas maneiras. Há bebês que apresentam perda de apetite ou mudanças de hábitos de sono, por exemplo. Nesse caso é interessante os pais ficarem com a criança na escola até perceber que o filho estabeleceu contato com algum adulto.
De 2 a 4 anos: Nessa fase a maior questão é a do abandono, isso porque a criança ainda não entende que os pais voltarão para buscá-la. Nesse caso, vale iniciar a adaptação um pouco antes do início das aulas, levar a criança para conhecer a escola, contar exatamente o que vai acontecer no período escolar, isso vai trazer a ela segurança. As crianças nessa idade podem ficar um tempo menor na escola, isso vai ajudá-la a entender que terá uma volta para casa. É importante também que os pais não atrasem quando forem buscar o filho.
Acima de 4 anos: Crianças com mais de 4 anos, geralmente, já entendem o que é escola e muitas vezes já desejam iniciar o processo da vida escolar. Ainda assim é válida uma conversa com a criança sobre o assunto, e leva-la para conhecer o ambiente onde ela irá estudar.
Outra questão importante é sobre a mudança de escola. Como eu disse, no início do texto, essa situação também pede segurança, por parte dos pais, e confiança para entender os motivos dessa mudança ou qual é o melhor momento para fazê-lo. Nesse caso, a visita ao colégio – junto com a criança – também é válida.
Também é importante observar a filosofia da escola; se a criança se dava bem no colégio antigo, talvez seja melhor colocá-lo em alguma escola que tenha uma metodologia parecida com a anterior. Se a mudança veio justamente porque ele não estava se desenvolvendo da maneira esperada, é importante observar cada ponto com cuidado, para saber o que é necessário mudar.
E lembre-se, a escola é uma parceira dos pais. Então, não tenha pressa com a escolha, e procure escolas que dialoguem com seus valores e com aquilo que você considera importante para o seu filho aprender.
E, aí, gostaram do texto?
Depois me contem como está sendo a adaptação na casa de vocês!
Um abraço, e até mês que vem!

Amanda Ferraz – Psicóloga parceira BBDU

amandafoliveira1@gmail.com

Como ajudar a volta às aulas ser tranquila e prazerosa para seu filho?

crianca-escola

As férias são um período de muita diversão para as crianças, onde podem brincar mais, visitar parentes, dormir até mais tarde, ou ir dormir mais tarde, muitas vezes fazer esportes diferentes e curtir mais a piscina ou a praia e embora elas possam estar com saudades dos colegas e da rotina, o retorno nem sempre é tranquilo, ou pelo menos devemos estar atentos ao fato de que as primeiras semanas serão de readaptação.
Então aqui vão algumas dicas de atividades, recursos e livros que podem ser usados desde aquelas crianças que não demonstram muito as emoções que surgem neste período até aquelas que demandam bastante dos pais e cuidadores nesta época.
– Envolva a criança na compra dos materiais ou se não precisar comprar nada, na organização do material escolar e uniformes. Faça este momento ser especial e valorize os momentos bons que virão pela frente.
– Se a criança mostrar algum tipo de preocupação com este início, já se antecipe. Existem livrinhos que falam sobre escola, sobre ficar longe dos pais e sobre medos, você pode ler alguns com a criança para ir conversando sobre estas emoções que podem surgir e juntos vocês já podem combinar formas de enfrentar. Alguns livrinhos sobre este tema que indicamos são: A Derrota dos Medos, Exageradalien, O Medo e seus Disfarces, Ata e Desata, e Não quero sair da bolsa.
– No primeiro dia de aula faça coisas especiais com a criança, procure estar com ela, ajudá-la organizar a mochila e se preparar, valorize as pequenas coisas, se possível faça um lanche especial (vale um bilhetinho no lanche também). Na BBDU criamos a Plaquinha para Fotografar: Primeiro Dia, ela é uma placa para registrar as primeiras vezes, e como a cada ano um novo ciclo se inicia, registre esse momento e relembre os anos anteriores.
– Se depois do primeiro dia ela ficar um pouco relutante em ir para escola, você pode usar recursos como ela levar um objeto de casa para acompanhá-la, ou se o sentimento predominante for o de se separar do pai ou da mãe ela pode levar um objeto dos pais, ou fazerem um desenho na mão igual da criança e dos pais simbolizando que estarão pensando um no outro. Outra ideia bacana é fazer um cheirinho do pai ou da mãe. A criança faz como se fosse uma poção mágica, pode misturar tudo! Perfume, desodorante, shampoo, hidratante, pasta de dente, enfim, tudo o que lembre o cheiro dos pais, aí vocês colocam num recipiente e ela leva para escola, para usar de apoio quando a saudade apertar.
Na BBDU temos também as Tatuagens dos Super Poderes, lá existem vários poderes para reforçar a força interna da criança, é um lembrete que ela tem aquele poder. Elas podem ser usadas em diversas situações, mas especificamente para adaptação escolar tem o poder de ficar feliz longe, o do esforço e o da coragem.
Se a criança continuar relutante e a emoção principal for medo: medo de ficar sozinha, medo de falar em público ou vergonha (que pode ser medo de não ser aceita) temos o Papa Medos e o Repelente de Monstros para ajudar, no site temos vídeos falando sobre eles.
Recentemente lançamos também a Caixinha dos Problemas, ela pode ser utilizada em diversas situações. O objetivo é ajudar a criança dimensionar o tamanho das situações e que a estão incomodando (problemas), então, em alguns casos poderá ser usada. Mas avalie bem o quanto a adaptação está sendo difícil, se ela estiver sendo muito sofrida, então este não seria o instrumento mais adequado.
Uma outra ideia, quando você sentir que falta só um “empurrãozinho” para esse recomeço, é usar o Voucher do Reconhecimento, que além de incentivar a criança a se divertir mais neste início, proporciona bons momentos em família com os vouchers propostos, e como ela está vindo das férias, onde vocês podem ter passado muito tempo juntos, separar momentos para fazerem coisas legais pode ser uma boa ideia.
Enfim, use e abuse da criatividade e imaginação e torne cada dia especial, principalmente os inícios que já são cheios de descobertas e emoções. Eles têm um cantinho bem especial na vida da gente e ficam guardados na memória.

Um beijo.

Juliana Martins – BBDU