20 PASSOS PARA O BOM DIVÓRCIO – PASSO 7

By Manual da Separação

ENFRENTANDO A CULPA

A culpa é algo tão rotineiro que nos persegue a cada decisão que tomamos. Toda vez que decidimos por algo, abrimos mão de alguma coisa.
Mesmo que em um divórcio a decisão não tenha partido da gente, sempre vem um pensamento da seguinte linha: “o que eu fiz de errado? O que eu poderia ter feito de forma diferente?” Assim como: “E se eu não tivesse me separado, como estaria minha vida agora?”.
É muito comum que nestes primeiros momentos a gente enfrente doses altas de culpa e um auto boicote: será que era tão ruim assim, mesmo? Como se as nossas memórias nos levassem, com alguma frequência, apenas para os momentos de pré-crise, para lembranças boas que nos fazem sentir mais culpa, dor ou arrependimento. Como antídoto, sugerimos ancorar, próximos a nós, amigos que nos acompanharam no antes, no durante e no depois. E que com frequência (e isenção) nos dirão: “Lembra que tu dizia…? Lembra que tu não era feliz? Não é bem assim como estas contando”.
Importante ressaltar que vivemos uma consciência do HOJE. Detemos um conhecimento no PRESENTE, fruto de toda uma caminhada do passado. Percepção que só temos porque já passamos por aquilo. Portanto, a ideia concreta do “se eu tivesse feito assim” é inócua, não nos serve para uso em algo que já passou. Consola muito pensar assim: Eu fiz o meu melhor para aquele momento; Na época, aquilo foi o meu melhor. Sempre nos aceitando e validando o melhor possível para cada momento e situação. É libertador! Nos acolhemos, nos aceitamos e nos culpamos menos.
Este exercício também nos possibilita uma melhor projeção do futuro: faremos uso desta experiência para melhor seguirmos nas nossas decisões.
A busca por memórias passadas deve sim, ser remetida a momentos de afeto para garantir que, a partir dele, possamos encaminhar melhor o nosso divórcio. Com um Direito mais humano e acolhedor, que não trabalha com a consideração da culpa, podemos pensar que este afeto, hoje tão enaltecido pelo próprio judiciário, pode ser um norte para o fim dele também. É possível nos separarmos de alguém com carinho (mesmo que no momento não exista a percepção de nenhum). O amor pode ter terminado, se transformado, mas um dia este ali. Com ele/ela, tivemos promessas e planos. Fizemos filhos que perpetuam um momento de amor. Portanto, está dentro de nós a escolha deste caminho: separar com afeto também é uma forma de amor (pelos filhos, pelo outro e por nós mesmas).

Núcleo da Separação com filhos (saiba mais)

20 Passos para o Bom Divórcio – Passo 6

By Manual da Separação

Parents with their children walking in forest

CONTANDO AOS FILHOS

Esta passo traz uma dose alta de culpa, de frustração, de sensação de incompetência. Que pais nós somos que estamos decidindo por esta ruptura? Que pais nós somos por não termos conseguido? Como lidar com uma dor assim?

Este é um momento que a ajuda de terapeutas pode vir para dar um bom suporte. As terapias de casal não existem apenas para retomadas de casamentos: servem também para auxiliar no fortalecimento de um fim. O manual foi construído através de muito trabalho multidisciplinar, assim como o Núcleo, nesta composição de terapeutas e advogados.

Assim, com este embasamento técnico e também no uso da experiência de acompanhar famílias em transformação, separamos algumas dicas, fundamentais para serem usadas neste momento de contar aos filhos uma decisão tão nossa e que nos é tão cara. São elas:

–  Apenas contar quando a decisão já estiver tomada, com as certezas cabíveis para o momento;

– Contar no máximo de sintonia possível com o outro. Uso de uma linguagem próxima, com combinações prévias feitas entre os pais, entregue em conjunto podendo assim, precocemente, sinalizar para eles a continuidade de uma boa parentalidade;

– Criar um espaço de diálogo, de acolhimento, onde a criança possa fazer perguntas, expressar as suas dores e dúvidas. E aqui vale lembrar que nem todos reagem da mesma forma: uns podem chorar, outros ignoram e muitos vão demonstrando aos poucos o seu sentir;

– Fazer uso de uma verdade possível, aquela que passa pelo filtro adulto e que protege em doses certas. Nem tudo precisa chegar neles;

– Isentar os filhos de qualquer culpa. Deixar claro que eles não têm nenhuma responsabilidade nesta decisão, que o fim (ou transformação) se deu na esfera de sentimentos entre os pais;

– Afirmar de forma explícita que amor de mãe e de pai por filhos não termina nunca. Que mesmo que a relação do casal tenha chegado ao fim, a deles com os pais é inabalável; esta certeza deste amor traz conforto e segurança, tudo que eles precisam para o momento;

– Criar uma espécie de rede de proteção: avisar a escola, os professores, avós, todos que forem próximos a eles, para que ao colocar para fora dores, medos e dúvidas, estejam sempre acolhidos amorosamente;

Dói, viu? Mas as crianças respondem muito mais rapidamente do que nós. Elas se reorganizam e nos sinalizam com melhoras antes do que poderíamos imaginar. Falar com a verdade do coração, isentos de culpa – porque não estamos fazendo nada de errado – aciona uma linguagem que elas dominam. E se a gente chorar na frente deles e não conseguir? Não tem problema algum, estaremos sendo de verdade. E a verdade é muito menos nociva do que a simulação. Seguimos (juntos) este caminhar.

Núcleo da Separação com filhos (saiba mais)

20 Passos para o Bom Divórcio – Passo 5

By Manual da Separação

O MELHOR MOMENTO NÃO EXISTE

Viemos, nos passos anteriores, amadurecendo uma decisão que está por acontecer a qualquer momento. Um experimento que funciona é contar para alguém próximo, tornar relativamente pública para que possamos nos ouvir falando sobre este decidir ( tornar real o que até então, era abstrato). Bom que seja com alguém que nos acolha. E com sorte, ouviremos: estarei contigo para o que der e vier

É muito comum direcionar um decisão destas a algum evento futuro, a alguma data. Por exemplo: “Vamos deixar para março: março não dá porque as aulas recém vão ter recém iniciado… Abril! Abril não dá porque tem Páscoa e Páscoa tem ninho no domingo, muito traumático. Maio? Só se for depois do dia das mães. Julho tem férias, já estão organizadas, Agosto cruel demais, tem dia dos pais. Outubro dia das crianças, presentes. Tem os aniversários de todos e chegamos assim, novamente no Natal. Natal, nem pensar: é data familiar, fim de ano e logo teremos o Ano Novo E assim, um ano passou e não saímos do lugar. Sempre vai ter algo, alguém ou algum fato que nos impedirá de verbalizar esta decisão e desta forma, vamos empurrando coma barriga.

Existem casais que, nesta busca pelo melhor momento, quando viram, esperaram 8 anos. Primeiros os filhos eram pequenos demais. Depois, adolescentes demais. Ai já tinham os 15 anos da filha, a formatura do filho. E num piscar de olhos, perdemos os passos. E acabamos deixando tudo como está.

Na busca pelo momento certo, é comum os casais marcarem de sair para jantar, longe dos filhos, para tratar da separação. E, no dia, tudo dá errado. Estamos cansados, nosso interior fazendo boicotes, e nada sai direito. Mas, às vezes, num cruzar de corredor, num café da manhã, na espera da escola…sai.

Quando falamos com o coração, conectados com a nossa dor, as nossas tristezas, de forma humilde, as palavras saem fortes. Não estamos ameaçando, não estamos melhores do que o outro. Apenas estamos dividindo com alguém que fez uma caminhada longa ao nosso lado. Estamos simplesmente dando nome àquilo que existe, machuca, que também é do outro e que na hora não sabemos como se resolverá.

Portanto, não tem um melhor momento. O que temos é o nosso melhor, o possível para àquela situação. Às vezes, é aquele momento em que o coração está cansado, a mente exaustivamente trabalhada aciona a dose de coragem necessária, vem e diz: deu! Eu preciso voltar a respirar e tentar ser mais feliz.

Núcleo da Separação com filhos (saiba mais)

20 Passos para o Bom Divórcio – Passo 4

By Manual da Separação

DESAPEGO

O que te faz permanecer? O que te faz não seguir em frente? É algo material? Um lembrança do passado?

No passo anterior, sugerimos um exercício de pensar: o que é meu e o que é do outro? O que ficaria comigo e o que iria com ele. Lista na mão e três colunas a serem preenchidas: meu, dele e uma com asterísco (*) para os pontos possíveis de discórdia.

Se conseguirmos ser honestas nesta divisão solitária, a chance de termos êxito é maior ainda. Por exemplo: isto ganhei de uma amiga, isto veio da casa dos meus pais e isto ele ganhou de aniversário. O que estabelece o íntimo e pessoal, é íntimo e pessoal. No fundo, a gente sabe o que pertence a cada um. Obviamente teremos que fazer concessões e trocas, faz parte de um bom negociar. Ganhamos alguma coisa, perdemos outra. Isso também é exercitar o desapego.

Com isso, aprendemos que poucas coisas nos são realmente valiosas. Lembranças afetivas valem o investimento. E o ter pelo ter vai desmoronando dentro de nós. A mudança que uma separação traz ocorre, principalmente, dentro da gente.

Este exercício material de desapego, nos fortalece para outras perdas de naturezas diversas. Lembranças não se perdem, filhos permanecem e nós nos ganhamos diferentes. Dói deixar para trás? Certamente. Mas, nos cabe lembrar que neste momento as perdas parecem maiores porque estamos na fase da dor de vivenciar uma decisão. Num momento que ainda não temos como visualizar os ganhos (e muitos são inimagináveis). O caminho é, como viemos fazendo desde o primeiro passo, enfrentar nossas verdades. São elas que vão relativizar as perdas. Por isso o esgotar possibilidades é tão decisivo. Fiz o que podia? Dei o meu melhor para aquele momento? Então, só me resta seguir.

Tudo aquilo que pensamos numa primeira vez, tem muita importância. Nas vezes seguintes, vão diminuindo na escala de valor real. E o que não é lembrado deve certamente ficar para trás.

Mesmo que esteja doendo, uma vida novinha começa a se formar dentro da gente. É a chance de reiniciarmos de um novo jeito, num capitulo de protagonismo nosso. No fim, como nos lembra o Manual, o que realmente importa, cabe dentro de uma pequena malinha.

Seguimos.

Núcleo da Separação com Filhos (saiba mais)

20 Passos para o Bom Divórcio – Passo 3

By Manual da Separação

Separar estando casada

Ainda dentro de um casamento, incorporadas a um regime de verdades (conquistado no passo anterior), teremos um incômodo natural que traz uma sensação de que não temos mais como voltar para trás: a gente simplesmente deixa de caber. E assim, começamos aqui neste passo, pequenos hábitos e pensamentos que tornam a ideia da separação algo mais concreto.


Já vivenciamos a sensação de que tudo que estava ao nosso alcance foi efetivamente tentado agora, tentaremos trazer esta conclusão para dentro da nossa rotina. Envolve um tanto de desconstrução de um alguém que já não somos mais e, dia a dia, ao enfrentarmos de frente a possibilidade real de um divórcio, vamos nos fortalecendo e afastando alguns medos normais.
É neste momento que nos concentramos na gente, nos fortalecendo emocionalmente: terapia, auto-sustento, independência emocional e tantas outras formas que nos levem para o que for mais confortável.

Há relatos de quem tenha buscado nesta etapa cursos, grupos de corrida, ioga, um novo emprego, terapias variadas. Se traz uma conexão maior com o teu próprio “eu”, está valendo. É a gente se dando colo e se auto abastecendo – lindo de se ver.

É estar dentro de uma formatação, de um compromisso que já não nos faz feliz e pensar: não vou precisar mais disto. É dizer não para o que não nos dá prazer. É investir num café sozinha, em momentos de lazer apenas com os filhos. É correr para os amigos e ficar bem, sozinha em casa. E se experimentar um pouquinho mais, a cada dia.

Estar num ambiente da casa da gente e pensar: o que é de cada um? O que eu levaria comigo daqui? É um ótimo exercício que será muito útil quando falarmos do passo de desapego. Portanto, diariamente e gradativamente vamos nos separando por dentro. Estamos nos experimentando, fazendo um jogo com o nosso imaginário e colocando em prática. Achando soluções e possibilidades e nos desencolhendo sem nos darmos conta.

O fim de uma relação, com toda dose de dor que vem com ele, nos traz uma possibilidade real de crescermos. Podemos fazer um bom uso deste momento para sermos mais.

Núcleo da Separação com Filhos (saiba mais sobre nós)

20 Passos para o Bom Divórcio – Passo 2

By Manual da Separação

Esgotei todas as Possibilidades?

No passo anterior, trouxemos a percepção de posições. Quem acionou o gatilho desta crise, quem deu início a tudo isso. E aqui cabe ressaltar que a separação não é uma crise esperada: casamos desejando o amor romântico, a construção de uma família e que ela seja eterna.

Com o passar do tempo, por várias possibilidades, o casal acaba se perdendo, com o crescimento individual em descompasso com o do outro, mudanças significativas, ausência de projetos em comum, ruídos na comunicação e desconhecimento, as vezes até de si mesmo. Uma crise pode sinalizar um pedido de socorro, uma tentativa ainda de olharmos para aquela relação e retomarmos através do histórico de afeto.

O manual traz questionamentos que nos conduzem a respostas determinantes: existe alguma chance dentro deste casal? Temos a sensação de que fizemos tudo que estava ao nosso alcance? Estamos centrados no todo ou apenas na gente? O que é preciso para sairmos melhores desta fase? Temos sentimentos que anda nos impulsione? Se sim, temos uma caminhada conjunta a trilhar. E todo o casamento vale até o último esforço de investimento.

Agora, se depois deste olhar, destas tentativas vier a sensação do “sim, eu fiz de tudo e não vejo outra saída que não seja uma separação”, pode respirar e começar os passos. Quando partimos do sentir o esgotamento das possibilidades, não temos como evitar este processo e teremos chances determinantes de acabarmos bem, no caminho de um bom divórcio. E sabe o porquê? Porque estaremos em dia com a nossa mais importante verdade e com a menor carga de culpa possível, mesmo que ela insista em nos acompanhar. É uma espécie de autorização para seguirmos em frente.

Esta sensação trará ao longo dos passos, a certeza necessária para conseguirmos resolver diversas questões. Será nossa parceira nos momentos mais difíceis. Nos ajudará a não esmorecer nas primeiras dificuldades. Porque quando não temos certezas, e muitas vezes não teremos mesmo, partimos em desvantagem e ficaremos presas no passado, buscando respostas e motivos que já nem existem mais.

Esgotar possibilidades dentro de um casamento faz com que ele encerre de forma inteira. E neste processo, o caminho se da para frente, numa perspectiva de futuro, com o nosso olhar de agora.  

É o caminho para um melhor divórcio? Seguimos.

Núcleo da Separação com Filhos (saiba mais sobre nós)

20 Passos para o Bom Divórcio – Passo 1

By Manual da Separação

Em que posição me encontro?

O fim partiu de quem e que diferença isso faz?

Por razões pessoais: amadurecimento de uma situação emocional, enfrentamentos, aprofundamento em terapias, buscas pessoais, tem sempre um, dentro de um casal, que percebe o fim antes do outro. E o perceber não significa desejar aquele final. Apenas está atento a um processo que pode vir a ser apenas uma crise a ser enfrentada ou, o início de uma separação. Este, sinaliza com conversas e com atitudes que nos direcionam para este pensar: como fazer e sair de uma situação assim. Com esta “vantagem” de auto percepção, muitas vezes, lá na frente, aos olhos do outro, parece sofrer menos com a separação, quando, na verdade, iniciou o luto anteriormente, evidenciando um dos tantos desencontros típicos de uma relação em desarmonia.

A este é dado o rótulo de acionador do gatilho, responsável pela crise e pelo desencadear do processo de separação e no desenrolar dos passos de um divórcio, normalmente àquele que carrega uma culpa significativa.

Por outro lado, aquele que não deu causa ou que não trouxe a verbalização da crise, costuma ocupar o papel de vítima. Não desejou, não esperava e muitas vezes afirma ter sido pego de surpresa. Ao contrário do papel da culpa, a este cabe a vitimização, normalmente representada por atitudes de resistência, fragilidade e indignação.

E o que esta definição nos permite concluir ao longo do caminhar para um divórcio? Os posicionamentos citados definem um processo negocial. Interferem no enfrentamento, no ceder ou não e na necessidade de se responsabilizar alguém, o que muitas vezes pode ser prejudicial para toda uma família.

Veremos ao longo dos passos que não existem culpados. Quando um casamento chega ao fim ele vem dando sinais de saturação, de não cuidado e falhas de ambos os lados.

Ao contrário do que podem pensar, o Manual não faz apologia à separação. No passo seguinte, Esgotando possibilidades, veremos se dentro daquele casamento não existe ainda alguma possibilidade de retomada e redirecionamento, configurando apenas a sinalização de uma crise. Porque olhar com lentes de enfrentamento não só é uma possibilidade de aproveitamento a uma eventual chance como também, uma visão necessária (e real) de seguirmos em frente e nos separarmos da melhor forma possível.

Existe uma forma para isso? Existe um bom divórcio?

Existe, sim. Segue os passos e te mostraremos um caminho.

Núcleo da Separação com filhos (saiba mais sobre nós)

Casa BBDU e o Manual da Separação criam núcleo da separação com filhos

Amigas de longa data Juliana Martins, Luciana Tisser e Paula Britto se reencontram num ambiente profissional com o mesmo objetivo: acolher e orientar famílias.

Luciana e Juliana, psicólogas, inauguraram a Casa BBDU um espaço pensado para famílias com crianças e adolescentes. Paula, advogada, escreveu o livro Manual da Separação um guia prático que conduz ao bom divórcio.

Desta união, surge o núcleo da separação com filhos.

O que somos:

Somos uma equipe multidisciplinar de profissionais capacitados e especializados em separações e divórcios que, através de várias abordagens, acolhe e fortalece famílias que passam por este processo.

O que queremos:

Acolher famílias com crianças e adolescentes que estão passando por esta crise de reestruturação familiar mas que, bem orientados, poderão ser conduzidos de forma mais fortalecida e menos traumática.

O que oferecemos:

– Produtos criativos e de uso prático que auxiliam neste momento sensível (ex: livros para adultos e para crianças, calendário da família, papa medos, spray de monstros)

– Rodas de conversas com temas necessários para um melhor encaminhamento do divórcio

– Conteúdo de qualidade através das nossas redes sociais sobre assuntos pertinentes ao tema.

– Cursos e palestras para orientação de profissionais da área da psicologia e do direito que atuem nesta área específica;