Uma mãe suficientemente boa

O título pode parecer muito estranho. Como assim suficientemente boa? Uma mãe não procura ser o melhor possível? Essa não é a expectativa da maioria das mães?
Pois bem, uma pessoa fundamental no conhecimento sobre a importância do vínculo entre mãe e filho, trouxe este conceito de mãe suficientemente boa e ainda hoje é extremamente atual. Ele é nada mais e nada menos que Donald Winnicott (pediatra, psicanalista de crianças e importante pesquisador sobre desenvolvimento infantil). Continuar a ler

Mãe que brinca

O post de hoje será um pouco diferente, um pouco mais pessoal.manuejuju
Eu tive o privilegio de ficar o primeiro ano da vida da minha filha em casa sem trabalhar. Foi um privilégio por que tivemos infinitas horas de carinho, de sonecas juntas, de brincadeiras. Quando ela fez um ano voltei a trabalhar. Atualmente só trabalho algumas horas por dia, mas durante estes meses pude constatar que dá muito trabalho ficar o dia todo em casa com o filho. Trabalhar e cuidar do filho então, dá muuuito mais trabalho. Quando chegamos em casa, estamos cansados, sem energia e eles a mil por hora nos esperando para compartilhar brincadeiras, momentos, etc. Continuar a ler

Caixa com texturas para bebês


O post de hoje da Psicomotricista Manuelita é bem bacana, é mais uma dica de brincadeira simples, barata e que estimula os pequenos. Bem legal!

Em nível neuropsíquico tudo está inter-relacionado, o bebê ainda não separa muito bem os estímulos sensitivos, sensoriais e motores. É por isto que o cérebro precisa receber informação do lado interno e externo do corpo, para conhecer cada vez mais a fonte do estímulo. Isto permite movimentos e respostas cada vez mais complexas e organizadas.
Este brinquedo estimula principalmente o tato e é super fácil de fazer.
Numa caixa de papelão apoiada de cabeça para baixo, colar diferentes objetos com texturas diferentes. Pode ser lixa grossa e lixa fina, esponjas de diferentes texturas, várias fitas juntas, grama sintética, penas de diferentes cores e tamanhos, corda grossa, etc. Serve qualquer coisa com uma textura interessante.
Você pode estimular que a criança sente, colocando a caixa para cima ou de bruços colocando a caixa de lado.
Esta atividade além de estimular o tato, estimula a capacidade de atenção, a coordenação motora e a motricidade fina.

Licenciada em Psicomotricidade Manuelita Dotti Consultório e Aulas de Psicomotricidade para mães e bebe no Amamãe. dottimanuela@gmail.com

 

Brincadeira sensorial com diferentes ingredientes

Hoje vou mostrar uma brincadeira muito legal para fazer com os seus filhos.
As brincadeiras sensorias estimulam o corpo todo. Quando a criança toca as diferentes texturas dos ingredientes, está estimulando o toque, a percepção, a sensibilidade ao tato, a diferenciação entre texturas, entre outros. Ao colocar os ingredientes dentro de recipientes, também estamos estimulando a coordenação óculo manual, o conceito de que tem objetos ocos e que uma coisa pode entrar dentro de outra. Ou seja, uma simples atividade como esta estimula as áreas motoras, cognitivas, sensoriais e claro o vínculo com o adulto com quem realiza a brincadeira. Continuar a ler

A IMPORTANÇA DA ESTIMULAÇÃO PRECOCE NO BEBÊ PREMATURO

prematuro1

Um bebê é considerado prematuro quando nasce antes das 37 semanas de gestação.

Existem três tipos de prematuros:
– Os severos: antes das 30 semanas de gestação;
– Os moderados: entre 31-34 semanas de gestação;
– Os leves: entre as 35-37 semanas de gestação.

O nascimento prematuro pode ocorrer por diversas causas, tanto fatores individuais (maternos, fatores relacionados a gestação e fatores relacionados ao feto), quanto fatores socioeconômicos. Continuar a ler

A criança hiperativa

Hoje vou falar de hiperatividade sob a perspectiva da psicomotricidade.

criancahiperativa
A palavra hiperatividade é uma palavra complexa e muitas vezes mal utilizada. Ela é associada frequentemente só ao TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com hiperatividade), mas na verdade ela também existe sozinha. É o que os psicomotricistas chamam de instabilidade psicomotora. E ela é o tema deste post. Continuar a ler