Adaptação Escolar

ad

Costumo dizer que a adaptação escolar é um processo onde os pais e as crianças são afetados. No caso dos pais, não é fácil deixar o filho na escola pela primeira vez sozinho, essa escolha vem embutida de uma angústia e dúvida sobre a melhor escolha para o seu pequeno; no caso das crianças, principalmente as menores – que estão indo à escola pela primeira vez – há um medo do abandono, de que os pais não voltarão, e o medo do desconhecido, de estar em um ambiente novo, onde enfrentarão muitos desafios.
Trataremos aqui sobre duas situações que envolvem este processo: a primeira diz respeito à entrada da criança na vida escolar; a segunda é sobre uma possível mudança de escola. Há um ponto em comum nessas duas situações: a segurança dos pais.
Papais, entendam, independente da escolha que vocês fizerem, se vocês estão seguros, o filho de vocês também estará!
Essa segurança diz respeito, inclusive, ao momento de colocar a criança na escola. A entrada do filho na escola deve ser uma escolha dos pais, seja por uma necessidade familiar, ou para o próprio desenvolvimento da criança. Analise os motivos dessa escolha, não matricule seu filho na escola porque os priminhos da mesma idade dele já estão indo, ou por alguma “imposição da sociedade”.
Primeiramente, quem deve se adaptar a escola, são os pais, que devem estabelecer um vínculo de confiança e segurança com aquela instituição. É importante conhecer a escola, a equipe pedagógica, o método de ensino e observar o espaço físico para tomar uma decisão mais assertiva. Se ainda estiver com dúvidas, talvez seja melhor adiar um pouco esse momento.
A adaptação da criança acontece de diferentes formas, conforme a idade. Vou citar algumas aqui:
Bebês: O processo de adaptação nessa faixa etária deve ser tão cuidadoso como com crianças maiores, isso porque os bebês percebem e sentem tudo o que acontece ao seu redor, e podem reagir de diversas maneiras. Há bebês que apresentam perda de apetite ou mudanças de hábitos de sono, por exemplo. Nesse caso é interessante os pais ficarem com a criança na escola até perceber que o filho estabeleceu contato com algum adulto.
De 2 a 4 anos: Nessa fase a maior questão é a do abandono, isso porque a criança ainda não entende que os pais voltarão para buscá-la. Nesse caso, vale iniciar a adaptação um pouco antes do início das aulas, levar a criança para conhecer a escola, contar exatamente o que vai acontecer no período escolar, isso vai trazer a ela segurança. As crianças nessa idade podem ficar um tempo menor na escola, isso vai ajudá-la a entender que terá uma volta para casa. É importante também que os pais não atrasem quando forem buscar o filho.
Acima de 4 anos: Crianças com mais de 4 anos, geralmente, já entendem o que é escola e muitas vezes já desejam iniciar o processo da vida escolar. Ainda assim é válida uma conversa com a criança sobre o assunto, e leva-la para conhecer o ambiente onde ela irá estudar.
Outra questão importante é sobre a mudança de escola. Como eu disse, no início do texto, essa situação também pede segurança, por parte dos pais, e confiança para entender os motivos dessa mudança ou qual é o melhor momento para fazê-lo. Nesse caso, a visita ao colégio – junto com a criança – também é válida.
Também é importante observar a filosofia da escola; se a criança se dava bem no colégio antigo, talvez seja melhor colocá-lo em alguma escola que tenha uma metodologia parecida com a anterior. Se a mudança veio justamente porque ele não estava se desenvolvendo da maneira esperada, é importante observar cada ponto com cuidado, para saber o que é necessário mudar.
E lembre-se, a escola é uma parceira dos pais. Então, não tenha pressa com a escolha, e procure escolas que dialoguem com seus valores e com aquilo que você considera importante para o seu filho aprender.
E, aí, gostaram do texto?
Depois me contem como está sendo a adaptação na casa de vocês!
Um abraço, e até mês que vem!

Amanda Ferraz – Psicóloga

amandafoliveira1@gmail.com

Como ajudar a volta às aulas ser tranquila e prazerosa para seu filho?

crianca-escola

As férias são um período de muita diversão para as crianças, onde podem brincar mais, visitar parentes, dormir até mais tarde, ou ir dormir mais tarde, muitas vezes fazer esportes diferentes e curtir mais a piscina ou a praia e embora elas possam estar com saudades dos colegas e da rotina, o retorno nem sempre é tranquilo, ou pelo menos devemos estar atentos ao fato de que as primeiras semanas serão de readaptação.
Então aqui vão algumas dicas de atividades, recursos e livros que podem ser usados desde aquelas crianças que não demonstram muito as emoções que surgem neste período até aquelas que demandam bastante dos pais e cuidadores nesta época.
– Envolva a criança na compra dos materiais ou se não precisar comprar nada, na organização do material escolar e uniformes. Faça este momento ser especial e valorize os momentos bons que virão pela frente.
– Se a criança mostrar algum tipo de preocupação com este início, já se antecipe. Existem livrinhos que falam sobre escola, sobre ficar longe dos pais e sobre medos, você pode ler alguns com a criança para ir conversando sobre estas emoções que podem surgir e juntos vocês já podem combinar formas de enfrentar. Alguns livrinhos sobre este tema que indicamos são: A Derrota dos Medos, Exageradalien, O Medo e seus Disfarces, Ata e Desata, e Não quero sair da bolsa.
– No primeiro dia de aula faça coisas especiais com a criança, procure estar com ela, ajudá-la organizar a mochila e se preparar, valorize as pequenas coisas, se possível faça um lanche especial (vale um bilhetinho no lanche também). Na BBDU criamos a Plaquinha para Fotografar: Primeiro Dia, ela é uma placa para registrar as primeiras vezes, e como a cada ano um novo ciclo se inicia, registre esse momento e relembre os anos anteriores.
– Se depois do primeiro dia ela ficar um pouco relutante em ir para escola, você pode usar recursos como ela levar um objeto de casa para acompanhá-la, ou se o sentimento predominante for o de se separar do pai ou da mãe ela pode levar um objeto dos pais, ou fazerem um desenho na mão igual da criança e dos pais simbolizando que estarão pensando um no outro. Outra ideia bacana é fazer um cheirinho do pai ou da mãe. A criança faz como se fosse uma poção mágica, pode misturar tudo! Perfume, desodorante, shampoo, hidratante, pasta de dente, enfim, tudo o que lembre o cheiro dos pais, aí vocês colocam num recipiente e ela leva para escola, para usar de apoio quando a saudade apertar.
Na BBDU temos também as Tatuagens dos Super Poderes, lá existem vários poderes para reforçar a força interna da criança, é um lembrete que ela tem aquele poder. Elas podem ser usadas em diversas situações, mas especificamente para adaptação escolar tem o poder de ficar feliz longe, o do esforço e o da coragem.
Se a criança continuar relutante e a emoção principal for medo: medo de ficar sozinha, medo de falar em público ou vergonha (que pode ser medo de não ser aceita) temos o Papa Medos e o Repelente de Monstros para ajudar, no site temos vídeos falando sobre eles.
Recentemente lançamos também a Caixinha dos Problemas, ela pode ser utilizada em diversas situações. O objetivo é ajudar a criança dimensionar o tamanho das situações e que a estão incomodando (problemas), então, em alguns casos poderá ser usada. Mas avalie bem o quanto a adaptação está sendo difícil, se ela estiver sendo muito sofrida, então este não seria o instrumento mais adequado.
Uma outra ideia, quando você sentir que falta só um “empurrãozinho” para esse recomeço, é usar o Voucher do Reconhecimento, que além de incentivar a criança a se divertir mais neste início, proporciona bons momentos em família com os vouchers propostos, e como ela está vindo das férias, onde vocês podem ter passado muito tempo juntos, separar momentos para fazerem coisas legais pode ser uma boa ideia.
Enfim, use e abuse da criatividade e imaginação e torne cada dia especial, principalmente os inícios que já são cheios de descobertas e emoções. Eles têm um cantinho bem especial na vida da gente e ficam guardados na memória.

Um beijo.

Juliana Martins – BBDU

 

O que colocar na lancheira do meu filho?

178467120

Uma dúvida que acaba surgindo entre a maioria dos pais de crianças que começam a ir pra escola é o que colocar na lancheira do filho. Até a creche, seu filho provavelmente não precisou que você preparasse seu lanche já que este é oferecido pela (maioria) das escolinhas e esta não era uma preocupação. Contudo, ao ingressar no ensino fundamental a tarefa de preparar o lanche das crianças passa a ser responsabilidade dos pais.

Continuar a ler

Tá na hora da papinha!

Guide-Feeding-Your-Baby-First-YearAs recomendações da Organização Mundial de Saúde relativas à amamentação referem que as crianças devem fazer aleitamento materno exclusivo até aos 6 meses de idade. Ou seja, até essa idade, o bebê deve tomar apenas leite materno e não se deve dar nenhum outro alimento complementar ou bebida. A partir dos 6 meses de idade todas as crianças devem receber alimentos complementares (sopas, papas, etc.) e manter o aleitamento materno.

Continuar a ler

A IMPORTÂNCIA DE DESENVOLVER O HÁBITO DA LEITURA

mae-e-filho-leituraPesquisas do mundo todo mostram que a criança que lê e tem contato com a literatura desde cedo, principalmente se for com o acompanhamento dos pais, é beneficiada em diversos sentidos: ela aprende melhor, pronuncia melhor as palavras e se comunica melhor de forma geral. É através da leitura que a criança desenvolve a criatividade, a imaginação e adquire cultura, conhecimentos e valores.
Continuar a ler