20 PASSOS PARA O BOM DIVÓRCIO – PASSO 9 IGNORANDO OPINIÕES ALHEIAS

A separação tem efeitos além de nós mesmos. Ela atinge em larga escala, provoca incômodos, medos e as vezes até inveja em quem gostaria de mudar sua vida e não consegue. E nesta “dor” que não é nossa, surgem várias versões da nossa própria história, por vezes até meios cruéis, inventadas ou idealizadas.

Vamos pensar juntos: estamos mais sensíveis, fragilizados, num momento entre passado (com lembranças que nos visitam e machucam) e presente instável, com medos e inseguranças de como será que tudo vais ser dali pra frente. Neste quadro, tudo que chega acaba nos tocando mais profundamente. Ao ouvirmos a preocupação de alguém com a nossa dor, nosso futuro (muitos relatos destes na figura dos nossos pais), que querendo ajudar e nos proteger, resistem ao novo, colocam as suas preocupações acima das nossas e acabam algumas vezes, aumentando nossa própria dor. Ou amigos que tocados por um fim próximo a eles, despertos num medo íntimo de “podia ser lá em casa”, resistem também com conselhos de todos os tipos. Também nos deparamos com resquícios de preconceitos frente a esta nova configuração familiar que foge dos padrões do “viveram felizes para sempre”. A grande questão, a nossa tábua de salvação para estes olhares, opiniões e invasões é lembrar que a história é só nossa. Somente quem viveu aquela relação, aquele fim de casamento pode realmente saber o que de verdadeiro se passou. Nós, protagonistas da nossa vida, nesse momento precisamos de colo, de frases que nos lembrem que não estamos sozinhos e que tudo que nos possibilita ser mais inteiros, mais felizes, está valendo.

Ignorar pessoas que alimentem o fundo do poço, se afastar de quem, por razoes próprias, não está conseguindo nos acompanhar, que não se dão conta que estamos inseridos num contexto amplo familiar, comprometidas com o nosso sistema, com filhos que sofrem consequências diretas do nosso sentir.

 Em contrapartida, uma feliz revelação: assim como nos decepcionamos com autores da nossa história de forma distorcida (porque tem gente que adora inventar, aumentar e botar lenha na fogueira), também ganhamos muito com a confirmação de anjinhos que temos por ai. Amigos que se mostram mais ainda e que chegam a virar parte da família. Amigos novos que surgem com um oferecer de mão, numa hora que afeto é tão bem vindo. Costumo brincar que algumas pessoas saem de cena para que outras, que nos acompanharão a partir dali, entrem com tudo em  nossas vidas. Pessoas que surgem para nos compor numa nova formatação.

E como devemos agir: assumindo verdadeiramente o que estamos sentindo.  “Eu não estou bem no momento; as coisas estão difíceis; tenho altos e baixos”. Porque saudavelmente é o que se espera num hora assim. Assumir a dor, vivenciar, falar, compartilhar, se recolher, quando preciso, faz parte do processo de cura. Ninguém sai de um casamento soltando fogos de artifício. Quem sai fora do tom, compromete uma chance de aproveitar deste ensinamento da vida e crescer com ele. Atropelando etapas, nem que seja para projetar em redes a sua “felicidade” meteórica, no mínimo, ignora a sua dor (que sempre existe, nem que seja pelo fim de um projeto), impede o crescer evolutivo a partir desta crise, acaba repetindo padrões e fazendo escolhas equivocadas que se materializarão na repetição de erros.

Respeitar a hora da dor também é se separar bem. E dar de ombros para o que os outros dizem, também.

Núcleo da Separação com filhos (saiba mais)

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.